sexta-feira, 20 de junho de 2008

Adeus paipai

Aquela noite parecia como todas as outras. Minha mãe e minha irmã estavam na igreja, em uma vigília, meu pai estava pescando, enquanto meu irmão e eu dormíamos tranquilamente.

Tarde da noite acordamos com batidas na porta. Eram meus avós. Fiquei feliz e surpreso ao nos convidarem para ir à casa da tia Luiza, em Balneário Camboriú, o que fazíamos freqüentemente.

Fizemos rápidos as malas e logo estávamos prontos para passear. No caminho paramos na casa de uma outra tia, a Lurdes, onde muitas pessoas estavam reunidas. Fiquei no carro observando meus avós e meu irmão falarem com outras pessoas. Estranhei um pouco, pois era muito tarde e todos pareciam preocupados.

Enquanto ainda estava esperando, a tia Lurdes se aproxima do carro e me oferece um comprimido, dizia ela que era pra gripe. Embora não estivesse doente, engoli sem reclamar, já que não tinha gosto ruim. Algumas horas depois descobriria que esse remédio era um calmante.

Novamente na estrada, voltamos a nossa pequena viagem. O silêncio era amedrontador. Ouvia-se apenas o barulho do carro, que nos levava em alta velocidade.

De súbito, minha avó se vira para onde eu estava e deu a notícia que meu pai, que estava pescando, havia caído do barco e desaparecido no mar. Então perguntou se eu sabia o que aquela triste notícia significava. Respondi que sim. Meu pai estava morto.

Fiquei estático. Meus pensamentos me confundiam. Não entendia o que estava acontecendo. Era um pesadelo do qual queria logo acordar. Dopado, dormi em seguida, querendo me esconder da vida, de tudo.

Acordei desorientado, já em Balneário Camboriú, onde equipes de mergulho se esforçavam para encontrar meu pai. No mesmo dia voltei para Itajaí, na a casa da tia Rozane.

Nesse lugar agradável, não se falava o que estava acontecendo, nem se já haviam encontrado o corpo dele. Brincava com meu primo, querendo esquecer a situação. Lembro-me que certa noite, quando o fornecimento de energia elétrica na região se interrompeu, meu primo e eu, olhando para a vela que iluminava o quarto, pedíamos para que Deus encontrasse meu pai, vivo ou morto.

Quatro longos dias depois, numa tarde chuvosa. O telefone toca e nos avisa que seu corpo finalmente havia sido encontrado na praia de Balneário, quilômetros do local onde esperávamos que estivesse.

Relembrando que não estava num pesadelo, uma nostalgia me tomava. Não acreditava que seria possível nunca mais vê-lo, o meu pai, meu grande amigo.

No velório, via pessoas que amava chorando, passando mal e me fazendo chorar com eles. Não quis ver seu corpo, queria lembrar apenas dos bons momentos que vivemos juntos.

No final daquela tarde, fomos todos em um cortejo até o cemitério, onde me despedi dele, daquele que nunca iria esquecer.

Onze anos depois, ao recordar de tudo isso, percebo o quanto Deus é importante na minha vida, que embora tenha perdido meu pai, através de Jesus Cristo, meu pai me encontrou.


Saudades...

7 comentários:

mayara disse...

Deus na sua infinita sabedoria sabe tudo o que faz
com certeza onde seu pai estiver
tem orgulho de ter um filho como vc
qualquer um teria


Você sempre vai poder contar comigo
bjus

bless disse...

Tem dores que somente Jesus nos faz superar.A certeza da vida eterna é a nossa esperança de que algo infinitamente maior nos aguarda.Tanto pra nós como para aqueles que nós amamos.
Deus te abençõe e console ricamnte.
Daniela
Ps:Você também mora no sul?Qualquer dia vamos marcar um encontro de blogueiros por aqui....

by Carioca disse...

Outro dia estava evangelizando na rua e uma mulher que abordei me disse que seu pai havia morrido fazia 2 dias. Aquilo me deixou pensativo, como falar de Deus nessa hora? Logo, repensei e afirmei: "Essa é a melhor hora de falar de Jesus". Dou louvores a Cristo por ter falado aquelas palavras que ajudaram aquela mulher a ter a fé certa. Cara, os acontecimentos só se dão na hora certa, pq é a hora de Deus e isso já garante a perfeição, portanto mantenha a sua fé no lugar certo! Fica na paz e aproveita pra sapear lá no JESUS NO ATACADO. Essa semana o desafio é calçar só AS LEGÍTIMAS.
www.jesusnoatacado.blogspot.com
Abs

Faculdade de Teologia disse...

Deus Abençoe vc filho!

abs

Renato Oliveira disse...

Diogo, tudo na santa Paz?!?
Dê uma passadinha lá no SoroGospel pois tenho um selo para homanagear este seu trabalho abençoado!
abraços!

Deus te abençoe PODEROSAMENTE!

S. Sotero disse...

Diego, gostaria de escrever algo significativo que pudesse atingir a profundidade do seu post, mas não encontro palavras. Sei que Deus é sábio e o seu amor dura para sempre,esse amor está disposto a te envolver e sustentar em quanto você viver. Deus continue te abençoando.

Oziel Alves disse...

Diogo,
Primeira vez que venho ao teu blog. Não conseguia dormir, resolvi navegar um pouco na web. Caí aqui. Fui tocado por teu post. Meu irmão, com apenas 33 anos anos e uma filhinha de apenas 1 mês, faleceu em um acidente, dezembro passado e compreendo um pouco da tua dor. Nosso consolo é que um dia nos encontraremos. Que Deus te abençoe. coloquei um link para o seu blog no meu.